Blog destinado ao estudo, compilação e análise de Pegadinhas de concursos públicos

A minha descoberta da necessidade de analisar pegadinhas foi inspirada por um grande professor e autor chamado Enrique Rocha.

Você já parou para pensar que toda pegadinha tem uma estrutura? E que o número dessa estruturas não é infinito, ou que a maioria delas pode ser facilmente identificada?

O próximo passo é partir para uma identificação dos tipos mais comuns de pegadinhas que aparecem nas provas dos concursos. É mais ou menos o que acontece com as questões de Raciocínio Lógico. Se você estudar RL apenas tentando resolver os milhares de questões sobre essa matéria exigida em concursos passados, vai achar tudo muito difícil. Provavelmente nunca vai entender como é que as bancas conseguem criar tantas questões diferentes, únicas e desesperadoramente complexas..

Mas depois de compreender que existe apenas um pequeno número de tipos de questões de Raciocínio Lógico nas provas, principalmente naquelas que não exigem grandes conhecimentos matemáticos, verá que fica fácil, muito fácil mesmo, resolver qualquer uma delas uma vez que tenha compreendido e resolvido um número suficiente de exercícios de cada tipo.

Eu sempre tive enorme dificuldade para entender aquelas questões complicadas de Raciocínio Lógico. Até o dia em que conheci o site do prof. Enrique que me ensinou que se eu fosse capaz de identificar os tipos de problemas apresentados nas provas e treinasse bastante cada um desses tipos, não teria mais nenhuma dificuldade com a matéria.

E não é que funcionou? Depois que compreendi a estrutura das questões de RL propostas nas provas de concursos, ficou muito mais fácil resolvê-las. Atualmente, elas não me parecem mais assim tão difíceis e sempre consigo me sair bem nas questões relacionadas a essa matéria.

Para que você entenda como é importante entender a estrutura dos problemas apresentados, e considerando que a matéria de RL é exigida na maioria dos concursos públicos, creio que vale a pena repetir a lição do prof. Enrique Rocha e fazer uma relação dos tipos de questões de Raciocínio Lógico atualmente propostas nas provas de concurso:
Tipos de questões de Raciocínio Lógico de concursos públicos:

1 – Problemas sobre Correlacionamento

São problemas que apresentam diversos elementos e você deve descobrir como eles estão relacionados entre si.
Exemplo: (AFC – 2002 – ESAF)

Um agente de viagens atende três amigas. Uma delas é loura, outra é morena e a outra é ruiva. O agente sabe que uma delas se chama Bete, outra se chama Elza e a outra se chama Sara. Sabe, ainda, que cada uma delas fará uma viagem a um país diferente da Europa: uma delas irá à Alemanha, outra irá à França e a outra irá à Espanha. Ao agente de viagens que queria identificar o nome e o destino de cada uma, elas deram as seguintes informações:
A loura: “Não vou à França nem à Espanha”;

A morena: ”Meu nome não é Elza nem Sara”;

A ruiva: “Nem eu nem Elza vamos à frança”.
O agente de viagens concluiu, então, acertadamente, que:
(A) a loura é Sara e vai à Espanha;

(B) a ruiva é Sara e vai à França;

(C) a ruiva é Bete e vai à Espanha;

(D) a morena é Bete e vai à Espanha;

(E) a loura é Elza e vai à Alemanha

2 – Álgebra das Proposições

Exemplo: (AFC – 2002 – ESAF)

Dizer que não é verdade que Pedro é pobre e Alberto é alto, equivale logicamente a dizer que é verdade que:
(A) Pedro não é pobre ou Alberto não é alto;

(B) Pedro não é pobre e Alberto não é alto;

(C) Pedro é pobre ou Alberto não é alto;

(D) se Pedro não é pobre, então Alberto é alto;

(E) se Pedro não é pobre, então Alberto não é alto.

3 – Silogismos

Questões envolvendo Analogia, Indução e Dedução e o emprego das idéias de Todo, Algum e Nenhum. Outro tipo de questão de RL que pode ser resolvido tanto diretamente como com o auxílio dos chamados diagramas de Venn-Euler.

Exemplo: Dizer que a proposição “todos os filósofos são médicos” é falsa, do ponto de vista lógico, equivale a dizer que a seguinte proposição é verdadeira:
(A) nenhum filósofo é médico

(B) nenhum médico é filósofo

(C) pelo menos um filósofo não é médico

(D) pelo menos um médico não é filósofo

(E) todos os que não são médicos não são filósofos

4 – Exercícios do tipo “Encontrando o Culpado”

Nesse tipo de questão lógica, o enunciado fornece algumas informações sobre certas pessoas que sempre falam a verdade, outras que sempre mentem e outras que às vezes mentem e outras vezes falam a verdade.

Esse tipo de questão parece ser o mais complicado de todos. Porém, após aprendermos a reconhecê-lo, o método de resolução revela-se extremamente simples, quase uma “receita de bolo”.
Exemplo: (MF – 2000 – ESAF)

Beatriz encontrava-se em viagem por um país distante, habitado pelos vingos e pelos mingos.

Os vingos sempre dizem a verdade; já os mingos sempre mentem. Certo dia, vendo-se perdida em uma estrada, Beatriz dirigiu-se a um jovem que por ali passava e perguntou-lhe: ”Esta estrada leva à Aldeia Azul?” O jovem respondeu-lhe: “Sim, esta estrada leva à Aldeia Azul.” Como não soubesse se o jovem era vingo ou mingo, Beatriz fez-lhe outra pergunta: “E se eu te perguntasse se és mingo, o que me responderias?” E o jovem respondeu: “Responderia que sim.” Dadas as respostas do jovem, Beatriz pôde concluir corretamente que:
(A) o jovem era mingo e a estrada não levava à Aldeia Azul;

(B) o jovem era mingo e a estrada levava à Aldeia Azul;

(C) o jovem era vingo e a estrada não levava à Aldeia Azul;

(D) o jovem era vingo e a estrada levava à Aldeia Azul;

(E) o jovem poderia ser vingo ou mingo e a estrada levava à Aldeia Azul.

5 – Exercícios de Análise Combinatória

Testa o conhecimento do candidato em relação a agrupamentos como Arranjos, Permutações e Combinações.
Exemplo: (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT – RJ – 2008 – CESPE)

Considerando que as matrículas funcionais dos servidores de um tribunal sejam formadas por 5 algarismos e que o primeiro algarismo de todas as matrículas seja o 1 ou o 2, então a quantidade máxima de matrículas funcionais eu poderão ser formadas é igual a
(A) 2 x 105

(B) 3 x 105

(C) 4 x 103

(D) 1 x 104

(E) 2 x 104

6 – Probabilidades

Testa o número de vezes que um de um determinado evento tem chance de ocorrer dado um número x de possibilidades.
Exemplo: (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT – RJ – 2008 – CESPE)

Se entre as 16 empresas contratadas para atender aos serviços diversos do TRT, houver 4 empresas que prestem serviços de informática e 2 empresas que cuidem da manutenção de elevadores, e uma destas for escolhida aleatoriamente para prestar contas dos custos de seus serviços, a probabilidade de que a empresa escolhida seja prestadora de serviços de informática ou realize a manutenção de elevadores será igual a
(A) 0,125

(B) 0,250

(C) 0,375

(D) 0,500

(E) 0,625

7 – Seqüências

Seqüências são conjuntos ordenados de elementos gerados por uma regra de formação qualquer.

Exemplo: A famosa seqüência de Fibonacci na qual o valor do próximo elemento numérico é dado pela soma dos dois anteriores:

1 – 2 – 3 – 5 – 8 – 13 – 21 – 34 – 55 – 89 …

Os exercícios com seqüências não se limitam a números. Podem existir seqüencias de letras, figuras, combinações de ambas, palavras com significados análogos e diversas outras.
Não é o caso aqui, resolver os exercícios de Raciocínio Lógico usados acima como exemplos. Eles estão aí somente para que você perceba que ao identificar certo número de tipos de questões de RL e resolver os exercícios tendo consciência da estrutura do problema nos tornamos capazes de aplicar o método ou forma de resolução adequada a cada um deles. E toda a aparente complexidade das questões desaparece. Resta apenas o trabalho, árduo é verdade, mas de resultados garantidos, de treinar e treinar fazendo muitos exercícios.
Fazendo o Mesmo com as Pegadinhas

A facilidade que passei a ter para solucionar questões de Raciocínio Lógico usando esse método de identificação de tipos organizados segundo a estrutura usada para criá-las, me inspirou a usar a mesma abordagem para identificar e resolver questões com pegadinhas.

Trata-se de uma descoberta revolucionária e tenho certeza de que a identificação e estudo das pegadinhas poderão contribuir muito para ajudar quem estuda para concursos a superar um dos principais obstáculos. Obstáculo esse que embora tenha reprovado centenas de milhares de candidatos, nunca foi devidamente analisado ou adequadamente tratado pela literatura geral de preparação para concursos.

Você não irá encontrar em nenhum cursinho preparatório seja lá para que concurso for uma turma específica sobre como resolver pegadinhas de Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Civil ou qualquer outro. E nem mesmo de ramo do Direito. Nem mesmo de Português, matéria especialmente rica em possibilidades de criação de sutilezas e armadilhas.
Não estou dizendo que conhecendo e sabendo identificar os diversos tipos de pegadinhas substitua o estudo árduo, o esforço, o planejamento ou qualquer outro dos requisitos acima mencionados. O que estou dizendo é que esse é apenas MAIS UM dos requisitos. Até mesmo porque sem conhecer bem o conteúdo da matéria, você não será capaz de identificar pegadinhas.

Mais que um requisito, essa habilidade pelo menos por enquanto, é um tremendo diferencial a seu favor. Ora, se a necessidade de estudar e treinar pegadinhas ainda não foi devidamente reconhecida, consequentemente, quase ninguém ainda pensou em fazer isso. E você, que comprou a primeira edição deste livro está sendo provavelmente um dos primeiros a tomar consciência do mundo de possibilidades (ou de pontos à frente dos outros candidatos) que se abre para você a partir de agora.

Todos os aprovados em concursos difíceis e que hoje são felizes Auditores, Fiscais, Técnicos e/ou Analistas Judiciários ou Previdenciários ou conquistaram outro objetivo qualquer tiveram a capacidade de identificar e reconhecer (mesmo que tenham feito isso de forma inconsciente) todas ou a maior parte das pegadinhas que lhes foram propostas quando prestaram seus respectivos concursos.

E essas pessoas vitoriosas que alcançaram seus objetivos também estudaram muito. Todas estavam muito bem preparadas. Porque a capacidade de não se deixar enganar por pegadinhas beneficia principalmente ao candidato bem preparado, dando a ele vantagem incomparavelmente maior em relação às dezenas ou centenas de outros candidatos igualmente muito bem preparados mas que não treinaram a habilidade de reconhecer pegadinhas.

Este blog e o fascinante objeto de estudo que ele aborda é destinado exclusivamente a candidatos que estudam e conhecem o assunto.

Portanto, prepare-se e estude a matéria como fazem os melhores. Mas dê um passo além deles e aprenda também a identificar e reconhecer as pegadinhas. O seu futuro agradece!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: